minha vida


Oi,gabriela-gasparin

Eu sou Gabriela Gasparin, uma jornalista e escritora que descobriu que sua missão neste mundo é contar histórias e promover transformações por meio delas.

Eu criei este espaço em 2013. A proposta inicial era postar os depoimentos que eu colhia por aí sobre o sentido da vida – por isso o nome Vidaria, em alusão a uma livraria, uma biblioteca de sentidos da vida.

Foram mais de 100 entrevistas. Contei as mais diversas histórias de vida e seus sentidos. Falei com empresários, artistas, moradores de rua, líderes espirituais, travestis, milionários, pessoas que passaram por momentos difíceis ou perderam entes muito queridos. Em 2015 publiquei 40 desses depoimentos no livro “Vidaria, uma coletânea de sentidos da vida”.

De lá para cá, a minha história também vem sendo palco de uma profunda busca por sentido. Eu trabalhei por cerca de 10 anos em redações da grande imprensa, mas dei uma reviravolta em tudo isso e desde 2015 passei a viver do que mais amo fazer: contar histórias de vida, de grupos ou instituições e ajudar outras pessoas a fazer o mesmo. É possível conhecer um pouco mais desse projeto no site www.vidarialivros.com.br.

Hoje o Vidaria segue com o mesmo propósito: compartilhar histórias de vida. Todavia, ampliei o leque de postagens para temas que tenho “mergulhado” nessa jornada que começou lá em 2013. Escrevo sobre autoconhecimento, psicologia e filosofia. Também posto sobre a importância das histórias na nossa vida e como contá-las pode promover uma verdadeira transformação em nós e, consequentemente, no nosso entorno.

A ideia é que, com esses textos, possamos encontrar cada vez mais estímulos para dar sentido às nossas vidas, sempre!

Seja bem-vind@ ao Vidaria,

Com carinho, Gabriela Gasparin.

 

Anúncios

20 comentários

  1. Sei lá, acredito que o sentido da vida é viver intensamente, a verdade é que quando abrimos a mente conhecemos e descobrimos coisas que não fazíamos ideia. Então estamos constantemente mudando… E sempre tem alguém pensando diferente então sempre estamos em conflito 💛

  2. Olá Gabriela, estou recentemente com um Blog http://certavezmedisseram.com/ gostaria muito que entrasse, tenho um projeto a ser colocado em prática , pretendo através de reuniões conseguir ajudar pessoas que estão perdidas de alguma forma , seja emocional, familiar, vícios.. sou formada em Pedagogia, irei fazer pós em psicopedagogia, e uma amiga minha vai emprestar seu livro pra eu ler… muito legal deve ser sua vida… rotina passa longe.. o meu objetivo a ser alcançado é ajudar as pessoas a solucionarem alguns “problemas” encarar de forma simples, pois todos temos frustrações e etc… e estou de coração aberto nessa caminhada, creio que em tudo pra dar certo..irei envolver música e dança no grupo também! sucesso pra todos nós! Deus abençoe!

  3. Ouvi algumas respostas sobre o sentido da vida, porém me parece que não há consistência entre o sentido definido com a prática do dia a dia das pessoas, ou seja, um plano de ação concreto com relação ao que se define o sentido da vida.
    Eu mesmo já fiz esta pergunta a mim mesmo e confesso que tenho dificuldades de respondê-la. Porem, acho que é fundamental que tenhamos bem claro qual o sentido de nossa vida, senão passamos no tempo e nem sabemos porque viemos a este planeta, porque e para que Deus nos criou.

    Vou dar minha resposta: O meu sentido da vida é uma contínua busca da felicidade duradoura e não apenas de momentos felizes, mas, daí vem outra pergunta: O que devo fazer para ser feliz? Minha resposta seria estar em plena harmonia com as pessoas, praticando o bem, o amor desinteressado. Mas se você me perguntar se vivo isto continuamente, a resposta é nem sempre, para minha própria frustração.

    Mas quando Deus me der a graça de viver plenamente o amor, acho que finalmente terei encontrado o sentido da vida!

    • Oi, Antonio!
      Eu entendo quando diz que não há consistência mesmo! Uma vez fui questionada sobre isso por um cientista, que me disse que não daria depoimento porque as respostas das pessoas são cobertas de valores morais. Ele me disse que uma pessoa jamais admitiria caso o sentido da vida dela fosse algo ‘condenável’ pela sociedade (como matar, roubar, etc). Mas às vezes eu sinto que isso é um reflexo de um distanciamento nosso da nossa verdade intenção, sabe? Claro que há doenças e todo esse assunto é muito complexo (como questionar um psicopata sobre o sentido da vida?)… Quem sou eu para avaliar tão a fundo esse tema! Mas eu também me frustro em não conseguir ser quem eu realmente gostaria de ser o tempo todo. E se a gente se aceitasse mais com nossos defeitos? Esses dias fui numa palestra e um dos participantes disse: somos luz e sombra! Acho que é isso, ao menos ter consciência dos nossos atos acho que já alivia um pouco esse peso, será que não? Obrigada pela sua mensagem! Grande abraço, Gabriela

      • Olá Grabriela, meu nome é Lucas !

        Não tenho bem a certeza que este seja o lugar adequado pra isso, mas tenho algo que gostaria e preciso dividir, um caso básico de um relacionamento que terminou e deixou muitos pensamentos muitas coisas a serem ditas, creio que poderia valer apena ser compartilhada e lida por algumas pessoas, uma História real acredito que serviria pra muitas pessoas como um aprendizado assim como serviu para minha pessoa.

  4. OLÁ, GABRIELA. OUVI O SEU COMENTÁTRIO NA CBN SOBRE AS PESQUISAS E O LIVRO. REALMENTE AS PESSOAS ESTÃO VIVENDO POR VIVER. SEM LUZ, SEM ESPERANÇA, SEM PRAZER PELO QUE JUSTO. ÚTIMAMENTE O MATERIALISMO TEM ACABADO COM ALEGRIA DOS POVOS, CONSIDERANDO QUE OS BENS PROPORCIONAM ALGO PASSAGEIRO. BOM MESMO, E FUNDAMENTAL, É A FÉ QUE GERA ALEGRIA DE VIVER SEM TER OS ROSTOS PREOCUPADOS COM O AMANHÃ.

    SUCESSO EM SEU LIVRO. “QUAL É O SENTIDO DA VIDA”

  5. Oi Gabriela, ouvi sua entrevista na CBN e fiquei curioso para saber quem era a doida que estava questionando o sentido da vida. Penso que também sou doido, pois reflito sobre isso desde que nasci, há 52 anos.
    Tenho minhas respostas. Não questionamos o sentido da vida de um peixe, por exemplo, mas se pensarmos veremos que o sentido da vida dele é se desenvolver e procriar, então penso que o sentido verdadeiro da vida é esse, garantir as próximas gerações.
    O sentido pessoal, como o nome já diz, é dado por cada um, tentando realizar coisas que o faz feliz. Para alguns família, amigos, para alguns apenas o trabalho. Para mim é tentar entender tudo isso, é buscar ter pessoas que valham a pena ao meu lado e fazer valer a pena para elas, estarem comigo.
    Parabéns pela entrevista!
    Abraço,
    Paulo

  6. e vc já pensou em fazer isso, sair pelas ruas perguntando pras pessoas qual o sentido da vida? vc é jornalista, faz perguntas. De repente, isso pode te render um projeto interessante….
    abs
    fernando rodrigues
    curitiba

  7. olá Mariana, mi nombre es Nicolas Martan e sou Colombiano. Eu vi uma materia no G1 do dia 04/07/2014 falando de uma familia colombiana que mora em São Paulo. Eu moro em Uberlândi, MG e gstaria entrar em contato com essa familia já que umas das minhas ideias es trazer a cultura colombiana para minha cidade Uberlândia.

    Atenciosamente,

    Nico Martan

  8. Oi Gabriela!
    Depois do nosso encontro na Chapada dos Veadeiros e você falou do seu blog fiquei super curiosa para conhecer. E menina, amei! Cada dia leio um depoimento. Muito Bom!

  9. Oi Gabriela ! Cheguei de viagem essa semana e estou procurando a entrevista que fez no final do ano dos meus pais, em Mongaguá e não encontrei. Não deu certo de postar? ou você já tirou? bjs e parabéns pelo seu trabalho!

  10. Gabriela, muito interessante seu blog,as entrevista então nem se fale, cada um no seu tempo e na sua busca.Entendo que o sentido da vida é em estarmos abertos para o aprendizado seja com uma criança , com um adolescente, com um adulto ou com um idoso, todos tem algo para nos dar,para nos ensinar basta querermos parar para escutar, para observar…O sentido da vida é sempre buscarmos conhecimento para que nossa caminhada por este planeta terra seja da melhor maneira possível,aprendendo com os erros, tendo paciência se as atitudes dos que estão próximos de nós não são como nós julgamos que seria o correto e entender que, se não esta acontecendo como planejamos foi porque de alguma forma nós mudamos o percurso, quando adolescente li o livro o Pequeno Príncipe – e a mensagem que ficou gravada para mim é que somos responsáveis por tudo aquilo que cativamos..Bj grande para você e siga em frente , pois com certeza terá muitas histórias para contar, já que a vida é feita de histórias e de momentos…sucesso para você,seius primos de Jundiaí que gostam muito de todos vocês- Luiz e Marilice,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s