Feirante vive ‘para a família’ diz que ir pra feira é o que mais gosta de fazer na vida

'Eu já não faço nada que eu não gosto, se não gostar, eu nem faço', diz Pixinguinha
‘Eu já não faço nada que eu não gosto, se não gostar, eu nem faço’, diz Pixinguinha

Ele se chama Adaílson dos Santos, mas se alguém o procurar pelo nome na feira, jamais o encontrará.

Conhecido como “Pixinguinha”, pela leve semelhança com o músico, o feirante vende bananas há 32 anos – ele está com 44.

“Quem me colocou o apelido nem na feira trabalha. Era quando eu trabalhava na quitanda. Falaram que eu parecia o Pixinguinha, mas não pareço tanto, ele é bem escuro, né. Aí colocou o apelido e ficou”.

O sergipano veio para São Paulo com a família aos sete anos. “Vim com minha mãe, meu pai e todo mundo. Aí comecei na feira com 12 anos e estou aqui até hoje. Também eu gosto, porque se não gostasse eu não ficaria”, desabafou.

Naquele dia, eu tinha ido de propósito a uma feira com o intuito de entrevistar um feirante sobre o sentido da vida. Era fim de feira e Pixinguinha estava parado à espera dos últimos clientes antes de começar a desmontar sua barraca de bananas.

Foi a primeira vez na minha vida que eu fui sozinha em uma feira. Com a correria dos dias na cidade grande, desde que comecei a trabalhar e morar sozinha eu comprava frutas apenas no supermercado ou na quitanda.

Lembrei como que o clima da feira é animado, com os vendedores fazendo as brincadeiras com os clientes – enquanto eu entrevistava Pixinguinha, um homem chegou na barraca e pediu ao funcionário para “arrumar uma banana”. Aí o vendedor respondeu: “arrumar por que, está quebrada?”

E é justamente por causa do clima descontraído que Pixinguinha disse que ir pra feira é o que mais gosta de fazer na vida. “Antes eu gostava de jogar bola, mas hoje é vir para feira. Gosto bastante do meu trabalho.”

Quando era mais novo, contou, até ingressou na faculdade de administração, mas não adiantou, percebeu que gostava mesmo era de estar no meio das barracas de frutas e verduras, conversando e fazendo brincadeiras com os clientes. “Tava no sangue já, não adianta, aí continuei na feira.”

Disse que aprendeu a só fazer o que gosta na vida. “Eu já não faço nada que eu não gosto, se não gostar, eu nem faço. Não adianta, é ruim.”

Ele ressaltou, contudo, que ser feirante não é fácil. Trabalha de terça a domingo. Tem que acordar todo dia às 4h, faça chuva, frio ou sol, e pular da cama. “Eu só não gosto da chuva, o resto eu nem ligo. Não acho cansativo. Eu acho assim, tudo que você faz que você gosta você não cansa.”

No último ano, ele perdeu o pai e o irmão. “Meu pai faleceu e oito meses depois faleceu meu irmão. Aí ficou pesado para mim, porque eles vinham comigo, me ajudavam”, desabafou. O pai morreu aos 71 anos, vítima de um problema no coração. O irmão aos 45, por causa da diabetes.

Casado e com dois filhos, um de 4 anos e outro de 6, o sentido da vida para Pixinguinha é justamente estar com a família.

Contudo, antes de dar a resposta deu uma titubeada:

Como assim o sentido da vida? Sei lá, viu.. Vai falar que é para trabalhar. Porque todo mundo está aqui de passagem. Eu mesmo vivo agora para os meus filhos, para a minha mãe que agora está sozinha, para a minha esposa. A hora que eu posso curtir eu curto, mas se não puder também. Bem dizer é isso, porque nosso trabalho é uma coisa que você não consegue sair, não tem muito tempo. Tem só a segunda para descansar, mas aí já tem que carregar caixas, fazer algumas coisas. O sentido para mim só esse agora, a família.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s