A culpa do livro mal escrito: todo escritor tem?

[este texto é um ensaio]

Toda vez que alguém me pergunta como conseguir um exemplar do meu primeiro livro, “Vidaria: uma coletânea de sentidos da vida”, dou uma pigarreada e respondo com sinceras desculpas. A principal é que ele esgotou e estou trabalhando para relançá-lo, o que é verdade.

Aos próximos, providencio, cheia de poréns, um dos poucos exemplares que me restam. “Só não repara na escrita porque foi o primeiro”, ressalvo, envergonhada. “Por favor, não considere a narrativa textual, apenas o conteúdo”, justifico-me.

Sim, acho que o livro está mal escrito. Hoje, quando preciso consultá-lo, não gosto de estruturas textuais que usei, considero certos títulos bregas, penso que exagerei nas citações e, o pior, sei que faltou revisão (a editora na época disse que o texto não precisava ser revisado porque sou jornalista, o que hoje sei que é inadmissível, seja quem for o autor).

Assim, nos últimos anos deixei a obra que me levou a trabalhar com livros escondida, o que não faz o menor sentido! 

Portanto, como em todo bom começo de ano, inicio 2022 com uma meta pública, que é pra cumprir de vez: relançar meu livro e disponibilizá-lo também em versão digital — em breve, compartilho novidades.

Longe de mim querer deixar meu livro perfeito, sei que isso é impossível. Apenas quero aparar algumas arestas para que a obra me agrade a ponto de ser um cartão de visitas do qual me orgulho, oras.

Recentemente, ao compartilhar minha angústia com uma amiga e colega de profissão, recebi um acalanto. Ela compartilhou comigo um prefácio de Érico Veríssimo escrito em 1966, numa reedição de Olhai os lírios do campo, no qual o autor revela não gostar da obra!

Veríssimo diz não ter muita estima pelo romance e apresenta várias críticas: “Há em ‘Olhai os lírios do campo’ uma filosofia salvacionista barata que me faz perguntar a mim mesmo como pude escrever tais coisas, mesmo levando-se em conta o fato de haver atribuído essa filosofia a personagens do livro”.  E ele concluiu: “Seja como for, aqui está o livro, com algumas correções no que diz respeito à linguagem”.

Bom, se a culpa do livro mal escrito pegou até Veríssimo, quem sou eu, mera mortal, pra me lastimar? Considero-me mais do que desculpada!

Quer ajuda para escrever e publicar seu livro?

Fale com a Vidaria Livros! Escreva um livro sobre a sua trajetória profissional, sobre sua vida, a história da sua família ou organização. Entre em contato pelo nosso site www.vidarialivros.com.br.

Gostou deste conteúdo? Curta nossa página no Instagram e no YouTube para dicas sobre como escrever o seu livro.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s