Nada como um bom banho

Uma crônica sobre tomar banho para lavar a alma

Ontem fui fazer a coleta para um exame de sangue de rotina e a enfermeira, simpática como todas elas costumam ser, confidenciou-me que é viciada em tomar banho.

Nos cinco minutos entre a angustiante furadinha e o aguardado “pronto, acabou!”, disse-me que vai pra debaixo do chuveiro sempre que está se sentindo mal, mesmo que precise fazer isso mais de uma vez ao dia. 

É um momento só dela, contou-me, usado para relaxar e limpar todas as energias negativas de seu corpo. Disse ter visto na internet que, enquanto a água escorre até o ralo, devemos mentalizá-la levando embora tudo o que há de ruim em nós. 

“Já que não tenho piscina nem mar perto, tomo banho!”, justificou-se, acrescentando que o ritual a curou das ansiedades de um TOC (transtorno obsessivo-compulsivo) durante sua gravidez. “Bem melhor do que gastar com remédios! Faz que funciona, viu?”, sentenciou.

Fui embora apertando o esparadrapo no meu braço com o dedo, como ela recomendou, mas toda sorridente.

Reflexiva, lembrei-me que o pequeno jardim que existe no meu prédio faz o mesmo comigo. 

Há algum tempo, sempre que faz sol adquiri o hábito de descer no quadrado de grama verde que fica a 18 andares de distância do meu apartamento. É meu oásis em meio aos prédios de uma rua barulhenta o suficiente para não me deixar esquecer que vivo numa caótica cidade grande.

Meu jardim fica a 300 metros de uma movimentada linha do metrô, atrás de uma fábrica, rodeado de inúmeras britadeiras de obras em construção e a poucos quarteirões das margens de um rio poluído. Mesmo assim, quando chego nele, basta eu pisar descalça na grama e olhar pro céu azul que todos os meus inventados problemas desaparecem. 

Lá, acredite se quiser, passo momentos sublimes lendo meus livros ou fazendo ginástica descalça no gramado. Sinto o vento no rosto, ouço os pássaros a piar, vejo-os voando de lá pra cá na copa das árvores do condomínio. Uma horinha depois, volto recarregada pra repensar nos meus problemas.

Como já diziam os antigos, às vezes tudo o que precisamos é de um bom banho, seja ele de chuveiro ou de sol, pra lavar a alma e espantar os agouros. E você, já tomou o seu hoje?

Gostou dessa crônica?

Siga minha página no Instagram e no YouTube para conhecer mais dos meus textos!

Ajuda para escrever

Sonha em escrever um livro e não sabe por onde começar? Fale com a Vidaria Livros e escreva um livro sobre a sua vida. Entre em contato pelo nosso site www.vidarialivros.com.br.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s