Quando há uma bifurcação, como escolher o caminho certo a seguir?

2015-04-18-13-35-12

Oi, gente! Estou preparando com carinho o “retorno” do Vidaria – que, sim, terá novidades em breve… Tenho estudado diferentes formas de conteúdo enquanto a carinha nova não fica pronta. Numa dessas, revi sem querer um vídeo que gravei há mais de um ano e nunca compartilhei por aqui. Fiquei com vergonha na época, mas assistindo de novo penso que não falei tanta asneira assim. É sobre como escolher o caminho certo a seguir. Quem nunca viu uma “bifurcação” na vida e ficou indeciso?

Havia uma bifurcação no meio do caminho: como escolher o caminho certo a seguir

No começo de 2015 eu estava no Parque da Cantareira, a passeio, quando me deparei com uma bifurcação no meio da trilha. Pode parecer bobeira, mas confesso que na hora olhei para os dois caminhos e fiquei em dúvida sobre qual seguir. Eu estava sozinha e não conhecia a trilha – e tenho um trauma sobre estar só em trilhas que conto logo em seguida.

Depois que escolhi um dos caminhos, gravei o vídeo abaixo:

Escolhi, medrosa, o caminho da esquerda. Qual foi minha surpresa ao descobrir que se tratava apenas de um curto retorno para voltar ao mesmo lugar – dei uma “voltinha” e retornei pelo caminho da direita.

Vocês podem pensar: “que bobeira. Era só um passeio no parque!” Pode ser. Mas na hora tive aquele friozinho na barriga. Pensem, eu estava sozinha, achava que a trilha seria longa e realmente acreditava que cada um dos caminhos levava a um lugar diferente.

Ri comigo mesma da situação quando vi que o caminho dava para o mesmo lugar em que eu estava antes da indecisão. Na hora queria estar com alguém para compartilhar a bobagem. Tendo em vista que estava só, gravei o vídeo – que hoje compartilho com vocês! 🙂

O dia que me perdi na trilha

como escolher o caminho certo a seguir
Eu na viagem que fiz à Chapada dos Veadeiros

Agora vou contar o motivo pelo qual tenho certo “trauma” de trilhas. Eu já me perdi sozinha em uma trilha desconhecida na Chapada dos Veadeiros, em Goiás – para quem não conhece, o lugar é lindo e recomendo a visita!

Em 2014, eu estava há cerca de uma semana na Chapada e tinha feito amizade com um turista que havia ido sozinho da Vila de São Jorge para o Vale da Lua – um lugar com pedras que lembram a paisagem lunar em meio a uma correnteza! Em tempo: a Vila de São Jorge é onde ficam pousadas e campings. Lá mora um senhorinha muito simpática que contou sobra a história do garimpo de cristal da região (leia aqui).

Meu amigo me contou verbalmente o caminho que ele tinha feito pra chegar ao Vale. Eu anotei num papel e fui – até dava pra ir de carro, numa volta maior, mas eu não estava com carro, nem com guia, e queria passar pela aventura da trilha.

No dia seguinte acordei cedo, atravessei a rodovia sozinha e lá fui em busca do ponto que dava acesso à trilha de cerca de 2,5 quilômetros no meio do mato: uma abertura na cerca de arame farpados. Segui na estradinha de mato, encontrei e atravessei o rio que meu amigo descreveu.

“Escalei” o morro – tinha uma escadinha com pedras construída a mãos. Encontrei a continuação da trilha no campo aberto lá em cima. Segui o caminho marcado no chão, que tinha bifurcações, mas intuitivamente escolhia as que eu achava mais oportunas. Todas darão no mesmo lugar, pensava!

Perdida no meio do mato

Quando eu encontrei a estrada de terra que meu amigo descreveu, não havia continuação da trilha do outro lado. Subi alguns metros. Desci outros. E nada! Tentei seguir no meio do mato até perder a estrada de vista. Não achei nem a trilha e não conseguia ver a estrada para voltar. Sério. Bateu um desespero. Era eu, sozinha no meio do mato e um monte de verde ao meu redor.

Consegui achar de novo a estrada de terra e marquei com uma pedra bem grande onde eu estava. Resolvi seguir em um dos lados da estrada para ver se encontrava a continuação da trilha. Andei alguns minutos mas não achei. Voltei para a pedra e pensei em retornar à Vila pelo mesmo caminho que eu tinha vindo. Era por volta de meio dia e pensei: ainda está claro, tenho cinco horas ou para voltar ou para achar o resto da trilha rumo ao Vale.

Queria achar o Vale. Resolvi seguir pelo outro lado da estrada de terra – a minha pedra marcava o ponto que eu tinha vindo. Andei menos de 500 metros na outra direção e encontrei uma trilha que cruzava a estrada de terra e seguia pro outro lado! Tive dúvidas, mas estava quase certa que era a trilha correta que ia para o Vale.

Segui morrendo de medo na trilha – juro que meus pés tremiam. A paisagem não batia muito com o que meu amigo falou e ainda encontrei uma cerca de arame farpado que ele não tinha avisado.

A cada metro que eu andava à frente, pensava: “vou seguir só mais um pouco, se eu não encontrar nada mais adiante volto pela mesma trilha”. A mata começou a fechar e – juro – comecei a lembrar de histórias de pessoas que se perderam no meio do mato. Eu estava com celular, mas não tinha sinal (eu possuía o número de um guia da região e tentei ligar para ele, sem sucesso). Eu exitava a cada passo, mas não queria desistir e voltar para trás sem ter encontrado o Vale.

Quando avistei o Vale

Qual foi minha surpresa quando, aos poucos, a mata foi abrindo e avistei um ônibus de turismo estacionado com pessoas descendo logo à frente. Era a entrada do Vale da Lua! Quase chorei de emoção. Foi a primeira vez na vida que fiz uma coisa dessas…  No Vale, ainda encontrei uma história linda de amor (leia o depoimento).

E esse é meu post sobre bifurcações e como escolher um caminho certo a seguir. Faço um paralelo: às vezes a gente se perde na vida também. O aprendizado que tive com essas duas histórias em trilhas é seguir adiante, mesmo com medo. A gente pode encontrar o “Vale” ou voltar para “o mesmo lugar”. Mas o que importa é a experiência de ter ido e descoberto por nós mesmos!

Gostou do texto? Compartilhe com quem acha que vai gostar também! 🙂 E acompanhe em breve as novidades aqui no Vidaria!

Como saber o caminho certo a seguir
Foto que fiz no Vale da Lua, na Chapada dos Veadeiros
Anúncios

Um comentário

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s